9 de ago de 2010

Candidato do PSTU ao Piratini propõe a legalização das drogas

Julio Flores foi o entrevistado desta segunda-feira na série promovida por Zerohora.com com os postulantes ao Piratini
 
O candidato do Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU) ao Piratini, Julio Flores, concedeu uma entrevista aos jornalistas da editoria de Política de Zero Hora, Paulo Germano e Letícia Duarte, na tarde desta segunda-feira. Flores ainda respondeu a perguntas de internautas em um bate-papo por meio da ferramenta de interatividade Cover it Live.

Durante a entrevista, o candidato foi questionado sobre a defesa da legalização das drogas, prevista em seu plano de governo. A ação seria justificada pelo trabalho ilícito dos traficantes, que não pagam impostos aos cofres públicos.
— Eles [traficantes] se juntam a outros setores do empresariado, que auferem enormes lucros, e esse dinheiro não vem para o setor público — acredita Flores.
Para o candidato, ainda teria de haver uma proposta de convencimento da população de que a droga é prejudicial à saúde. Flores propõe que os traficantes aparecessem "à luz do dia" e se trabalhasse para que houvesse "um controle a respeito da produção e distribuição das drogas".
— É um problema social, de saúde pública — explicou o candidato.

Educação
A primeira medida proposta por Flores é destinar o "mínimo que a Constituição Estadual dispõe para a educação", que seria 35% da quantia arrecadada no ICMS.
— Na verdade, mesmo nas condições atuais, com todo o esforço dos nossos colegas, a educação tem problemas e a gente precisa solucionar — disse o candidato, que enxerga a necessidade de construir um projeto de educação baseado em seminários regionais onde sejam discutidas as melhorias no ensino público.
Na educação, a proposta do PSTU é a estatização das empresas de ensino, muitas delas filantrópicas, segundo o candidato:
— É uma proposta que seria implementada na medidas das possibilidades — afirmou o candidato, que defende o ensino "100% estatal".

Dívida com a União
Outra questão defendida pelo candidato é a suspensão do pagamento da dívida do Estado com o Governo Federal:
— São R$ 2 bilhões que deixam de ser investidos em saúde e educação todo o ano — afirmou o candidato.

Isenções ficais
Julio Flores propõe o fim das isenções ficais às grandes empresas estabelecidas no Estado e o "combate firme" à sonegação fiscal.
— Para cada real que é arrecadado, outro real é sonegado — calculou Flores.
Para o candidato, esta seria uma forma de arrecadar "muito dinheiro", que seria investido na construção de hospitais, moradias populares e obras públicas, gerando milhares de empregos à população.

Desapropriação de terras
O plano de governo do candidato prevê a desapropriação de áreas não utilizadas nos meios rural e urbano.
— A gente quer fazer uma reforma agrária no campo que construa milhares de propriedades e desapropriar áreas na cidade que estão para a especulação imobiliária — explicou.
Para o candidato, esta reforma resolveria o problema de cerca de 200 mil pessoas que vivem em "condições subumanas" na periferia.

Socialismo
A plataforma socialista defendida pelo PSTU também foi tema da entrevista. Para o candidato, o debate sobre o socialismo está sendo retomado na sociedade, com a concordância de uma parcela da população.
— Esse sistema [o capitalismo] só tem trazido fome e miséria — disse Flores.
O candidato explicou que o PSTU defende uma "gestão democrática", na qual a população tenha o controle de diferentes setores por meio de conselhos.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Deixe sua opinião! O PSTU Gaúcho agradece sua participação.