31 de ago de 2010

CONHEÇA O JINGLE DE CAMPANHA DO JULIO FLORES






Zé Maria candidato a Presidente da República, chega ao Rio Grande do Sul nesta quarta-feira.

Faltando 32 dias para iniciar a votação, o candidato do PSTU retorna à Porto Alegre. Esta é a terceira vez que Zé Maria vem ao Rio Grande do Sul para debater um novo projeto para o Brasil.

O candidato cumpre agenda de campanha na noite desta quarta-feira na cidade de Santa Cruz do Sul e permanece quinta-feira na capital gaúcha.

Zé Maria retorna ao Rio Grande no momento em que a polarização eleitoral entre Dilma e Serra aumenta e a campanha eleitoral esquenta. Nas últimas semanas várias polêmicas surgiram na mídia e o candidato do PSTU irá declarar aos gaúchos sua opinião.

PSDB tenta calar o PSTU
O PSTU foi surpreendido, na semana que passou, com um pedido de direito de resposta da coligação de José Serra (PSDB). O pedido veio após o PSTU exibir imagens onde o então presidente Fernando Henrique Cardoso declarava que as "... pessoas que se aposentam com menos de 50 anos são vagabundos..." (11/05/1998).

Zé Maria reafirma que FHC chamou os aposentados de vagabundos para justificar a reforma da Previdência. “Depois disso, ele (FHC) criou o Fator Previdenciário, o que tem prejudicado milhares de trabalhadores em todo o país”, disse o candidato.

“Os dois mandatos de FHC significaram perdas de direitos para o conjunto dos trabalhadores em geral, e para os aposentados em particular. Infelizmente, Lula continuou a mesma política. Agora que estamos denunciando isso, o PSDB quer calar o PSTU”, concluiu o candidato.  

O processo será julgado hoje à noite. No entendimento do Ministério Público Eleitoral, que já emitiu sua opinião, o PSTU não ofendeu Serra ao dizer a verdade. FHC chamou os aposentados de vagabundos.

Confira a agenda do Zé Maria no estado.
- Dia 01/09 (Quarta-feira)
18:30 - Previsão de chegada no aeroporto Salgado Filho. Segue com Julio Flores e Vera Guasso para Santa Cruz do Sul.
20h - Jantar da candidatura a Deputado Federal de Silvério Stolben, em Santa Cruz do Sul.
- Dia 02/09 (Quinta-feira)
7h - Panfletagem em saída do trem ou porta de fábrica
12h - Conversa com trabalhadores do Serpro
12h30 – Roda de bate-papo com estudantes da UFRGS, em frente à Faculdade de Educação.
14h às 17h – Visita as redações dos principais jornais de porto alegre
18h - Ato público com apoiadores na esquina democrática.

30 de ago de 2010

PROGRAMA DE GOVERNO DO PSTU GAÚCHO

Faça o download do Programa de Governo do PSTU - Gaúcho.
Aqui estão as principais idéias defendidas por Julio Flores, nosso candidato a Governador, e Vera Guasso nossa candidata ao Senado.



Jéssica Nucci - 1606 - Deputada Federal

Será tão maluco assim acreditar que é possível mudar:

"Estava ontem na Bento com a 3º Perimetral esperando o Agronomia (é, num sábado, coragem!!) e o moço dos doces me olhou e perguntou 'qual é e..."

Professor Manoel - Deputado Federal

ATIVIDADE DA CAMPANHA COM CAMINHADA NA COHAB:

"Esta semana visitamos escolas e fábricas com nossos materiais e realizamos, no sábado, uma caminhada na COHAB, em Gravataí. Entre as esco..."


27 de ago de 2010


Mesmo fora do debate, Yeda é atacada por concorrentes e direção do Cpers

Faixas contra a tucana decoravam o Centro de Eventos do Plaza São Rafael nesta manhã 

Por Vivian Eichler - www.clicrbs.com.br

Apesar de estar ausente por não ter sido convidada, a governadora Yeda Crusius protagonizou o início e o final do debate entre os governadores do Estado promovido pelo Cpers.

Nesta sexta-feira, no Hotel Plaza São Rafael, no centro de Porto Alegre, Aroldo Medina (PRP) José Fogaça (PMDB), Julio Flores (PSTU), Montserrat Martins (PV), Pedro Ruas (PSOL) e Tarso Genro (PT) debateram suas principais ideias para o Pirati caso sejam eleitos em outubro.

Faixas contra a tucana decoravam o Centro de Eventos. Logo na apresentação dos candidatos os candidatos Pedro Ruas (PSOL) e Júlio Flores (PSTU) destacaram a campanha contra a governadora promovida por entidades sindicais e partidos políticos.

— O Fora Yeda não terminou e vai continuar — bradou Ruas.

Ao final, a direção do Cpers leu uma nota respondendo a críticas por não ter convidado Yeda para o debate. Apesar de ausente por não ter sido convidada, a governadora Yeda Crusius protagonizou o início e o final do debate entre os governadores do Estado promovido pelo Cpers.

Faixas contra a tucana decoravam o salão do Centro de Eventos do hotel Plaza São Rafael. Logo na apresentação dos candidatos os candidatos Pedro Ruas (PSOL) e Júlio Flores (PSTU) destacaram a campanha "Fora Yeda" promovida por entidades sindicais e partidos políticos. Ao final, a direção do Cpers leu uma nota respondendo a críticas por não ter convidado a governadora para o debate.

"Não é possível que este governo que por quase quatro anos atacou os serviços públicos do RS e os direitos dos servidores, agora tenha alguma coisa a nos dizer", diz o texto. "Não deixamos de convidar um partido político, mas sim, uma inimiga declarada da educação pública no nosso Estado", finaliza o documento. A leitura levantou a plateia, que gritava em coro "Fora Yeda, Fora Yeda".

Yeda critica via twitter
De fora do painel, Yeda usou o microblog Twitter para, mais uma vez, criticar a atitude da instituição de deixá-la à margem do debate desta manhã.

"Oposição radical intransigente de não diálogo do CPERS com o veto a minha presença em seus debates mostra que a direção do CPERS é partidária. Onde está a democracia que dizem defender?", escreve o blogdayeda.

CONHEÇA JULIO FLORES E SUAS PRINCIPAIS PROPOSTAS


Eleições 2010: Beijo gay no horário nobre
Blog do Xexéo ( http://oglobo.globo.com/cultura/xexeo/posts/2010/08/27/eleicoes-2010-beijo-gay-no-horario-nobre-319348.asp )

Os partidos nanicos têm que rebolar para chamar a atenção no horário eleitoral gratuito. Com pouco tempo para que seus candidatos exponham suas ideias, é no programa deles que, muitas vezes, aparecem as propostas mais ousadas. O PSTU já vinha chamando a atenção com seu slogan. “Contra burguês, vote 16” pode não levar o candidato à Presidência Zé Maria à liderança das pesquisas, mas é bem feito, representa o que é o partido e gruda na cabeça do espectador. Mas ontem o PSTU mostrou que seu programa não é apenas um slogan. Arriscou, ousou e chamou a atenção.



Começou com uma foto de Bruno, o goleiro acusado de homicídio no rumoroso caso que ainda ocupa a primeira página dos jornais e os principais espaços da internet, seguida de um depoimento em vídeo de Eliza, a vítima do crime. Nem deu tempo de o espectador se perguntar o que aqueles dois personagens da crônica policial estavam fazendo no horário destinado a propaganda política _ se bem que crônica policial e propaganda política são cada vez mais parecidas. Logo surgiu a candidata a vice-presidente do PSTU, Claudia Durans, falando da Lei Maria da Penha. Foi a dica para Zé Maria explicar que o partido batalha na “luta contra toda a forma de opressão”. A foto de uma manifestação pública levada ao ar em seguida destacava outro slogan do partido: “Não há capitalismo sem homofobia”. Percebia-se, então, que a manifestação era uma parada gay. Surgiu, então, uma série de fotos de beijos na boca entre dois rapazes.


Bem que Gloria Perez tentou, mas a primazia de fazer a Globo carioca exibir um beijo gay no horário nobre será para sempre do PSTU. (Grifo nosso)
 
Assísta ao Programa Nacional do PSTU contra as opressões
 

25 de ago de 2010

Candidatos ao governo visitam ON

Aroldo Medina e Júlio Flores (PSTU) cumpriram agenda na região

Em dia de visitas aos veículos de comunicação da cidade, o candidato a governador do Rio Grande do Sul pelo PRP, Aroldo Medina, acompanhado do candidato à Câmara dos Deputados, José Monteiro (PTC), e representantes da executiva dos partidos, esteve em O Nacional. Medina falou sobre a campanha na região e a movimentação política dessas eleições. Aroldo Medina tem como base de propostas investimentos em educação e segurança, ações conjuntas e planejadas, desenvolvimento econômico com investimento em infraestrutura e redução de impostos e taxas. Neste final de semana, a comitiva estará na região de Carazinho, dando continuidade aos trabalhos.


Já o candidato do PSTU ao governo, Júlio Flores, acompanhado da vice, Vera Rosane, da candidata ao Senado, Vera Guasso, e de candidatos que concorrem à Assembleia e à Câmara Federal, também esteve em campanha nessa sexta-feira (20) em Passo Fundo.

Após visita aos funcionários da Khun e caminhada pelo comércio com militantes, o socialista visitou a sede de ON, onde expôs as ideias que norteiam o seu projeto de governo, baseado na transferência do poder dos empresários para os trabalhadores. Flores defendeu ainda a suspensão do pagamento da dívida gaúcha com a União, o fim das isenções fiscais para as grandes empresas, o combate à sonegação fiscal e a reforma agrária no Estado como prioridades de seu governo. O candidato também protestou contra o processo eleitoral brasileiro, considerado por ele como "ultra-antidemocrático", por privilegiar e dar mais visibilidade aos chamados partidos maiores.

PROGRAMA DO PSTU - JULIO FLORES GOVERNADOR (Dia de exibição dia 25/08/2010)


24 de ago de 2010

Julio Flores faz campanha em Santa Maria


O candidato do PSTU ao Palácio Piratini, Julio Flores, cumprirá atividades de campanha hoje em Santa Maria. Acompanhado da vice da sua chapa, Vera Rosane (PSTU), ele visitará escolas públicas, a partir das 10h, e depois fará caminhada e panfletagem nas principais ruas da cidade. À noite, Flores se reunirá com correligionários e demais apoiadores da sua candidatura, que são, em maioria, oriundos dos movimentos sociais e sindicais.

Publicado - Jornal Correio do Povo 24/08/2010

22 de ago de 2010


 Conheça o Zé Maria, candidato a presidência da república pelo PSTU.


Professor Manoel - Deputado Federal

SIM À ESCOLA TÉCNICA! NÃO AO FECHAMENTO DO SANTA R...: "A comunidade da Cohab de Gravataí quer a escola técnica! O PT da Rita quer fechar a escola Santa Rita, sem discussão e contra a vontade da c..."

CONHEÇA MELHOR A VERA GUASSO, CANDIDATA A SENADORA PELO PSTU


19 de ago de 2010


Julio Flores participa de mobilização dos servidores da rede municipal de ensino da Capital

Os servidores da rede municipal de ensino de Porto Alegre organizaram uma grande mobilização em defesa da educação pública. O ato público reuniu cerca de mil trabalhadores que saíram em passeata do Paço Municipal até a sede da SMED. ocorreu pela manhã desta quinta-feira (19) e foi organizado pela Atempa (Associação dos Trabalhadores em Educação do Município de Porto Alegre.
Julio Flores acompanhou a passeata desde o início e distribuiu panfletos das candidaturas do PSTU. Ao lado de Julio estava Andrea Ortiz, candidata a Deputada Estadual, e Vera Rosane candidata a Vice-governadora.
Os servidores reivindicam ao governo Fortunatti (PDT) um plano de carreira para os funcionários da Smed/Sme; Valorização do trabalhador em educação; Saúde e condições de trabalho; Gestão democrática e valorização do Sistema Municipal de Ensino e garantia dos salários e direitos.


18 de ago de 2010

Propaganda eleitoral - VERA GUASSO Senadora 161.


16 de ago de 2010

A divisão antidemocrática do tempo de TV e as prop...

Professor Manoel - Deputado Federal: A divisão antidemocrática do tempo de TV e as prop...: "Amanhã tem início a propaganda eleitoral no rádio e televisão. O tempo foi dividido entre os partidos obedecendo a um critério nada democrát..."

Professor Manoel - Deputado Federal: ATIVIDADE DE CAMPANHA

Professor Manoel - Deputado Federal: ATIVIDADE DE CAMPANHA: "Esta semana realizamos, em Gravataí, panfletagens em escolas estaduais, fábricas, na ULBRA e nas agências dos correios. Na escola José Maur..."

Jéssica Nucci - 1606 - Deputada Federal: REPRESSÃO NO OLARIA

JÉSSICA DENÚNCIA REPRESSÃO NO OLARIA:

"Só pra não deixar passar... Estivemos hoje no Olaria e novamente sofremos com a repressão policial... Até quando isso vai durar? Socos, xing..."

9 de ago de 2010


Vera Guasso mantém a quarta colocação e já conta com 16% da intenção de voto em Porto Alegre.

A candidata do PSTU ao senado manteve a quarta posição na disputa com 5% e já conta 16% da intenção de votos na Capital gaúcha, segundo a pesquisa IBOPE divulgada recentemente. Sua posição nas pesquisas representa o reconhecimento de parte da população a sua trajetória de luta em defesa dos trabalhadores.  
Vera Guasso tem 47 anos, é natural de Santiago (RS). Filha de pequenos agricultores, com 13 anos se mudou para Porto Alegre para estudar. Começou sua militância política no movimento estudantil e depois seguiu na atuação sindical. Participou do movimento Diretas Já e fez parte da coordenação estadual do movimento Fora Collor.

Vera se filiou pela primeira no PT em meados de 1980. Por divergências políticas e ideológicas, deixou o partido e aderiu à Frente Revolucionária, formada por várias correntes do PT e de outros partidos, dando origem, no início da década de 1990, ao PSTU. Trabalha no Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) desde os anos 1980. Está licenciada do Serpro desde julho para concorrer ao Senado pelo PSTU neste ano. Antes já tinha disputado o Senado na eleição de 2006 representando a coligação Frente de Esquerda (PSTU-PSOL-PCB) liderada por Heloisa Helena para Presidente da República.

Nesta eleição serão dois votos para o Senado. As candidaturas de Rigotto (PMDB) e Ana Amélia (PP) representam os setores mais conservadores de nosso Estado. Votar em Vera Guasso é fortalecer uma alternativa de esquerda, socialista e dos trabalhadores para defender a soberania nacional, lutar contra o fator previdenciário, em defesa da aposentadoria, pela reestatização das empresas privatizadas por FHC e contra as privatizações que estão em andamento no governo Lula como a dos Correios. Fortaleça essa idéia, vote em Vera Guasso para senadora. Essa você conhece e pode confiar!

Candidato do PSTU ao Piratini propõe a legalização das drogas

Julio Flores foi o entrevistado desta segunda-feira na série promovida por Zerohora.com com os postulantes ao Piratini
 
O candidato do Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU) ao Piratini, Julio Flores, concedeu uma entrevista aos jornalistas da editoria de Política de Zero Hora, Paulo Germano e Letícia Duarte, na tarde desta segunda-feira. Flores ainda respondeu a perguntas de internautas em um bate-papo por meio da ferramenta de interatividade Cover it Live.

Durante a entrevista, o candidato foi questionado sobre a defesa da legalização das drogas, prevista em seu plano de governo. A ação seria justificada pelo trabalho ilícito dos traficantes, que não pagam impostos aos cofres públicos.
— Eles [traficantes] se juntam a outros setores do empresariado, que auferem enormes lucros, e esse dinheiro não vem para o setor público — acredita Flores.
Para o candidato, ainda teria de haver uma proposta de convencimento da população de que a droga é prejudicial à saúde. Flores propõe que os traficantes aparecessem "à luz do dia" e se trabalhasse para que houvesse "um controle a respeito da produção e distribuição das drogas".
— É um problema social, de saúde pública — explicou o candidato.

Educação
A primeira medida proposta por Flores é destinar o "mínimo que a Constituição Estadual dispõe para a educação", que seria 35% da quantia arrecadada no ICMS.
— Na verdade, mesmo nas condições atuais, com todo o esforço dos nossos colegas, a educação tem problemas e a gente precisa solucionar — disse o candidato, que enxerga a necessidade de construir um projeto de educação baseado em seminários regionais onde sejam discutidas as melhorias no ensino público.
Na educação, a proposta do PSTU é a estatização das empresas de ensino, muitas delas filantrópicas, segundo o candidato:
— É uma proposta que seria implementada na medidas das possibilidades — afirmou o candidato, que defende o ensino "100% estatal".

Dívida com a União
Outra questão defendida pelo candidato é a suspensão do pagamento da dívida do Estado com o Governo Federal:
— São R$ 2 bilhões que deixam de ser investidos em saúde e educação todo o ano — afirmou o candidato.

Isenções ficais
Julio Flores propõe o fim das isenções ficais às grandes empresas estabelecidas no Estado e o "combate firme" à sonegação fiscal.
— Para cada real que é arrecadado, outro real é sonegado — calculou Flores.
Para o candidato, esta seria uma forma de arrecadar "muito dinheiro", que seria investido na construção de hospitais, moradias populares e obras públicas, gerando milhares de empregos à população.

Desapropriação de terras
O plano de governo do candidato prevê a desapropriação de áreas não utilizadas nos meios rural e urbano.
— A gente quer fazer uma reforma agrária no campo que construa milhares de propriedades e desapropriar áreas na cidade que estão para a especulação imobiliária — explicou.
Para o candidato, esta reforma resolveria o problema de cerca de 200 mil pessoas que vivem em "condições subumanas" na periferia.

Socialismo
A plataforma socialista defendida pelo PSTU também foi tema da entrevista. Para o candidato, o debate sobre o socialismo está sendo retomado na sociedade, com a concordância de uma parcela da população.
— Esse sistema [o capitalismo] só tem trazido fome e miséria — disse Flores.
O candidato explicou que o PSTU defende uma "gestão democrática", na qual a população tenha o controle de diferentes setores por meio de conselhos.

Candidato do PSTU ao Piratini será entrevistado na redação de ZH nesta tarde

Além de responder perguntas de jornalistas, Julio Flores participará de chat com internautas

O candidato do Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU) ao Governo do Rio Grande do Sul, Julio Flores, será o entrevistado desta segunda-feira da série promovida por Zerohora.com com os postulantes ao Piratini. A entrevista será realizada na redação de Zero Hora e transmitida ao vivo pelo site a partir das 14h.

Além da entrevista realizada por jornalistas de Zero Hora, com 30 minutos de duração, Flores receberá questionamentos de internautas por meio da ferramenta de interatividade Cover it Live. O bate-papo entre candidato e eleitor também durará 30 minutos.

As perguntas serão selecionadas de acordo com a lei eleitoral e os critérios editoriais.

A série de Zerohora.com com os postulantes ao Piratini segue até 13 de agosto. Já foram entrevistados os candidatos Tarso Genro (PT), Montserrat Martins (PV) e Pedro Ruas (Psol). Até o fim desta semana, participam os candidatos José Fogaça (PMDB), Carlos Schneider (PMN), Aroldo Medina (PRP) e Humberto Carvalho (PCB).

A candidata Yeda Crusius (PSDB) não confirmou presença para participar da entrevista.
ZEROHORA.COM

5 de ago de 2010

Debate exclui Zé Maria, 4º lugar da pesquisa CNT/Sensus. Twittaço pela democracia foi um sucesso!
O primeiro debate presidencial da TV, hoje à noite na Band, exclui o 4º candidato melhor posicionado na pesquisa de intenção de votos, mais recente divulgada na imprensa, Zé Maria do PSTU. A pesquisa, realizada pelo Sensus e divulgada pela Confederação Nacional dos Transportes garante a Zé Maria 1,9% das intenções de voto.
Segundo a pesquisa, Dilma Roussef está em primeiro lugar com 41,6% dos votos, seguida por José Serra, com 31,6%. Marina Silva aparece com 8,5%. Zé Maria vem em quarto lugar, seguido por Plínio Sampaio, do PSOL, com 1,7%, Eymael com 0,5% e Ivan Pinheiro, Rui Costa Pimenta e Levy Fidelix, todos com 01,%.
Na pesquisa espontânea, em que não são apresentadas aos eleitores todas as alternativas, Zé Maria aparece com 3% das intenções de votos, ficando 2% atrás de Marina Silva (PV). Um índice bastante representativo para uma candidatura que não conta com financiamento de empresas ou bancos e que ainda enfrenta o bloqueia da grande mídia.

Pela democracia na campanha eleitoral
É justamente contra a falta de democracia na cobertura da campanha eleitoral que militantes, ativistas, simpatizantes e pessoas que simplesmente defendem a democracia estão fazendo uma campanha via Internet para que Zé Maria participe dos debates convocados pelas emissoras de TV.
Ocorreu nesse dia 5, dia do debate da Band, o twittaço em defesa do direito à informação. A campanha #zemarianodebate foi um sucesso e ficou registrada na 4° posição das tag mais utilizadas no Twitter em todo Brasil. A campanha pretende pressionar as emissoras a chamarem o candidato do PSTU aos debates, garantindo o direito das pessoas de conhecerem todos os candidatos e propostas nessas eleições. A campanha vem tendo apoio não só de simpatizantes da candidatura de Zé Maria, como também de apoiares de Plínio Sampaio e até mesmo de Dilma.
A luta continua. Sigam o nosso candidato a Presidente da República no twitter, @zemaria_pstu, e continuem a utlizar a tag #zemarianodebate.

4 de ago de 2010

Jornal do Comércio | Quarta-feira, 04 de agosto 2010


Vera contesta o pagamento da dívida com a União
A candidata ao Senado do PSTU, Vera Guasso, defende que a dívida do Estado com a União não seja paga, por entender que o Rio Grande do Sul já quitou esse débito há muito tempo. Ela propõe uma auditoria nesses números. Também prega a extinção do fator previdenciário e é contra incentivos fiscais a grandes empresas. Se eleita, promete lutar pela redução da jornada de trabalho. Nesta entrevista ao Jornal do Comércio, opina sobre o pacto federativo e indica como pode atuar pelo Rio Grande do Sul no Congresso.

Jornal do Comércio - Qual sua avaliação da disputa ao Senado Federal?
Vera Guasso - São duas vagas, então as pessoas começaram a se antenar mais cedo, porque o normal é uma vaga a cada quatro anos. Vamos eleger dois candidatos ao Senado, é um momento rico para o debate político do País.
JC - Tendo em vista que o PSTU é um partido independente, sem coligações, o que poderá fazer para o Estado no Senado?
Vera - O PSTU tem uma independência grande porque tem um projeto de esquerda, em nível nacional e estadual, com o companheiro Zé Maria para a presidência e Julio Flores para governo do Estado. Nosso diferencial é que não fizemos coligação. Em 2006, formamos uma frente de esquerda com o P-Sol, por vontade e por programa - nossas candidaturas são programáticas. O que foi diferente em relação a 2006? O P-Sol passou a ter um programa rebaixado na nossa visão ao não falar dos principais problemas...
JC - Quais problemas?
Vera - Precisamos romper com a dívida pública e com os grandes setores - os banqueiros internacionais e até nacionais.
JC - Qual sua posição sobre a revisão do pacto federativo?
Vera - Não somos a favor da revisão, somos pela suspensão do pagamento, porque a dívida já foi paga. Em 1990, a dívida do Estado era de R$ 30 bilhões e hoje é de R$ 39 bilhões. Então, são juros altos, há um problema da federação. Em 1998 deu aquela crise enorme, e Minas Gerais suspendeu o pagamento. Temos que romper com esse pagamento (dívida do Estado com a União). Falta dinheiro para saúde, educação, segurança, os problemas da população. O Estado paga essa dívida. E ao mesmo tempo tem subsídio para o empresariado, no caso, aqui, o da General Motors, no ano passado foi renovado.
JC - Como resolver a desigualdade na distribuição dos recursos entre estados, municípios e União?
Vera - Não bastam pequenas reformas ou discursos, tem que fazer uma auditoria sobre a dívida federal. Por que ninguém quer fazer? Porque poucos continuaram a questionar a dívida. Os grandes partidos chegaram ao governo, estão se beneficiando e estão do lado do poder econômico. Dívidas, cortar subsídios, discutir questão tributária: como os estados não vão ficar com maior parte do dinheiro para investir no serviço público?
JC - Por suas posições, o PSTU é tachado de radical.
Vera - Sempre traduzo essa questão de ser radical em ir na raiz dos problemas. Neste momento das eleições, "os candidatos desfilam e fazem centenas de promessas, e a situação continua a mesma". No final de 2008 e em 2009, as empresas foram socorridas pelo Estado - tanto o do Rio Grande do Sul quanto o brasileiro deram muitos empréstimos às empresas para não quebrar. E os trabalhadores quebraram, porque eles têm só um emprego. Se não tiver emprego, não tem como viver. Para nós, os problemas devem ser resolvidos na raiz. E aí é que está a questão, porque de um outro lado tem o radicalismo da direita tradicional e dos que se incorporaram ao projeto neoliberal. Para eles, funciona assim: "privatizemos o Estado" quando eles estão bem, agora, quando eles estão mal, "socialize-se o prejuízo deles". Se lutar contra isso é ser radical, somos radicais sim.
JC - Como materializar essa luta em resultados para os trabalhadores atuando no Senado?
Vera - Em primeiro lugar, temos que discutir o fator previdenciário. Essa é uma questão muito importante, a luta tem que ser retomada, (o presidente) Lula (PT) vetou. Então, essa é uma das bandeiras.
JC - Por quê?
Vera - O fator é uma legislação que faz com que o trabalhador, depois de se aposentar com 35 anos de serviço no caso do homem e com 30 anos para as mulheres, tenha uma redução drástica no benefício, dependendo da idade com que se aposenta. Nossa proposta é acabar com o fator previdenciário, criado pelo governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e mantido por Lula, que era compromissado em acabar com o fator previdenciário. Então, agora o fator não é só de FHC, é também Lula. Eles dizem que não acabam com o fator, porque quebraria a Previdência. Isso não é verdade. Tem um estudo que diz que o aumento da dívida pública a cada 1% de taxa Selic ampliada, daria para pagar um ano de fator previdenciário.
JC - E a redução da jornada de trabalho?
Vera - Tem projeto, mas o debate está parado. Será uma de nossas bandeiras para ampliar o emprego da população gaúcha que está desempregada e reduzir a jornada. Vamos também buscar condições de recursos para o lazer das pessoas. Grande parcela dos trabalhadores ainda trabalha 44 horas semanais. O Brasil tem o maior número de horas em jornada de trabalho e não há retorno em salário, além de se intensificarem os casos de doenças do trabalho.
JC - Que outras propostas destacaria?
Vera - Somos favoráveis à reestatização do setor de energia, privatizado no País no governo Fernando Henrique Cardoso. E da Vale do Rio Doce, que foi praticamente doada para o grande capital nacional e internacional.
Perfil
Vera Justina Guasso, 47 anos, é natural de Santiago (RS). Filha de pequenos agricultores, com 13 anos se mudou para Porto Alegre para estudar. Começou sua militância política no movimento estudantil e depois seguiu na atuação sindical. Participou do movimento Diretas Já e da campanha pelo impeachment do ex-presidente Fernando Collor de Melo. Sua primeira filiação partidária foi no PT nos anos 1980. Por divergências ideológicas, deixou o partido e se integrou à Frente Revolucionária, formada por várias correntes do PT e de outros partidos, dando origem, no início da década de 1990, ao PSTU. Trabalha no Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) desde os anos 1980. Está licenciada do Serpro desde julho para concorrer ao Senado pelo PSTU neste ano. Antes já tinha disputado o Senado na eleição de 2006. Também concorreu a vereadora, deputada federal e estadual e à prefeitura de Porto Alegre em 2008. Técnica em informática, cursa a Faculdade de Pedagogia, na Ufrgs.


3 de ago de 2010

ELEIÇÕES 2010

O PSTU está presente nas escolas e nas fabricas
 
Nossa campanha começa a ganhar força a cada dia que passa. A recepção das pessoas é muito boa. Desde segunda-feira equipes de panfletagens estão atuando nas escolas, que retornaram as aulas esta semana. Nas fabricas as panfletagens já vem ocorrendo há mais tempo. Agências dos correios e bancária, Petrobrás, reunião com apoiadores e atividades de confraternização também estão ocorrendo.
 
As gravações para os programas de televisão já iniciaram. Hoje Julio Flores vai gravar seu primeiro programa de TV e rádio que será exibido a partir do dia 17. A tua participação é fundamental para fortalecer a campanha e o PSTU nestas eleições, precisamos de ajuda para furar o bloqueio político que as grandes empresas de comunicação impõem aos nossos candidatos.


A exclusão como principio da atual democracia
Até o momento todos os grupos de comunicação, principalmente a RBS e a Record, estão aplicando uma reforma política que não existe e que não foi debatida, nem votada no Congresso Nacional. A exclusão do noticiário diário da maioria dos candidatos não pode ser aceita sem nenhuma contestação política e jurídica por parte das coligações afetadas, o silêncio fortalece a censura imposta e contribui para fortalecer a idéia da necessidade de aplicar uma reforma política ainda mais excludente.

Nas redes sociais já existe uma campanha denominada #zemarianodebate. É necessário reforçar esta campanha e a criação de novas. Participe, fortaleça essa idéia!


 

Inovando para fortalecer uma idéia


PSTU ocupa a web

Em nenhuma outra eleição a internet foi tão usada como está sendo em 2010. E o PSTU também está aproveitando a mídia.

Quando o partido lançou o site do Zé Maria, não imaginávamos que teríamos tanta concorrência. Uma concorrência pra lá de boa evidentemente.

Espontaneamente, nos estados, os militantes foram criando seus blogs. Os candidatos aderiram ao Twitter e ao Orkut, a exemplo do próprio Zé Maria. O candidato a presidente faz questão de atualizar seu Twitter, não deixando nas mãos da assessoria.

Na rede, são divulgadas as biografias, agenda, artigos, programa, vídeos e fotos. E, é claro, a campanha de Zé Maria.

“A internet é a única mídia livre que temos atualmente na sociedade. Na rede não existe a censura do poder econômico das grandes empresas da forma que existe hoje no rádio e televisão. Por enquanto, é o único espaço onde se tem uma relativa liberdade de expressão”, opina Giovanni Mangia, criador e administrador do blog do Rio Grande do Sul.

Já o pessoal do Rio de Janeiro aproveitou para criar um site do estado, que vai permanecer após as eleições. A iniciativa é importante para “servir de interlocução com os diversos setores e categorias de trabalhadores e da população em geral, que hoje tem na internet um espaço de divulgação e comunicação”, dizem os companheiros.

Em São Paulo também foi criado um site, manchagovernador.org.br. O site é do Mancha, mas lá você encontra as informações sobre os candidatos a senador e deputados. Também dá para se informar sobre agenda dos candidatos e atividades, como o Seminário Estadual de Programa.

Ampliar o acesso
Sem deixar de ter o corpo-a-corpo junto aos trabalhadores e a juventude em seus locais de trabalho e estudo como principal estratégia de campanha, o partido aproveita este espaço para ampliar a divulgação.

“O Brasil já tem 41 milhões de usuários da internet. Construir uma campanha alternativa é fundamental para fortalecer a agitação política que é feita nas escolas, universidades, fábricas”, diz Mangia. “Aqui no Rio Grande do Sul, estamos fazendo uma bela experiência. O retorno é imediato para os que atualizam constantemente”, afirma.

Outros bons exemplos são os blogs de Sergipe, Bahia, Ceará, Paraná, Minas Gerais, Brasília e Rio Grande do Norte. Os responsáveis já afirmaram que alguns deles vão permanecer depois das eleições, como meio de divulgação do partido. Se alguém ficou de fora, é só reclamar que divulgamos imediatamente.

Ao contrário do PT e do PSDB (e dos outros partidos da burguesia), O PSTU não conta com grandes recursos. A campanha é feita com a colaboração dos militantes, simpatizantes e apoiadores. Também nesse sentido, a internet tem sido uma boa aliada.

Outro elemento importante é que, na internet, não há o boicote que existe na TV, rádios e jornais – pelo menos por enquanto. Nas eleições de 2008, houve uma tentativa de censura que se mostrou inviável.

Recentemente, o PSTU teve indeferido um pedido de participação no debate da Rede Bandeirantes, mesmo recorrendo à democracia. Agora, o partido inicia uma campanha na rede para que Zé Maria participe dos debates.

Nas páginas dos estados, você pode conferir os blogs, twitters, orkuts e afins dos candidatos Brasil a fora. É só clicar aqui.


Fonte: www.pstu.org.br | www.zemariapresidente.org.br










2 de ago de 2010

O que rolou neste final de semana?


Congresso Estadual do Cpers e final das férias escolares esquentam a campanha

Neste final de semana ocorreu o Congresso Estadual do Cpers/Sindicato, um evento muito importante para todos/as que no último período estiveram lutando contra o governo Yeda (PSDB). O Congresso reuniu os principais personagem desta luta. Todos os homens e todas as mulheres que estiveram na linha de frente do Fora Yeda, dedicando parte de sua vida nestes últimos 4 anos, para garantir seus direitos e defender a educação pública.

Não poderia ser diferente, o PSTU esteve presente em todos os debates durante esses três dias de congresso. Nossa militância nos orgulhou pela firmeza ao defender nosso programa e nossas idéias para fortalecer a luta dos trabalhadores. Junto conosco estavam os/as camaradas da corrente Democracia & Luta, que vem crescendo e se fortalecendo a cada embate que enfrentamos pela frente. Nossa tese foi a de número 11 e refletiu uma unidade política com a Alternativa Socialista (PSOL) que nos enche orgulho, pois atuamos ombro a ombro no cotidiano das lutas e na construção de uma nova direção para a classe trabalhadora.

A disputa eleitoral esteve presente em todos os debates.

A Articulação sindical foi derrotada ao não conseguir transformar o congresso em um comício pró-Dilma e Tarso. A categoria derrotou esta proposta, mas iniciou o movimento para derrotar Yeda e seus aliados.
O clima de eleições esteve presente em todos os momentos. O PSTU fez a distribuição de panfletos e adesivos no congresso, as candidaturas de Julio Flores, Vera Guasso, Andrea e Manoel foram bem recebidas pelos educadores. Nossos candidatos são trabalhadores e estiveram atuando durante todo o congresso, seja na disputa dos rumos do sindicato ou na disputa eleitoral.

No sábado à noite o PSTU organizou uma atividade de apresentação das propostas para o Rio Grande mudar de rumo, as propostas do PSTU serão divulgadas em uma revista de programa de governo nas próximas semanas. Logo após os discursos, carregados de emoção, a festa tomou conta de todos/as que estiveram presentes na atividade.
 
Ao PSTU só resta agradecer o empenho, a participação e a disposição de luta que foram fortalecidos neste final de semana. O retorno das aulas é a nossa oportunidade de atingir o máximo de pessoas nessas eleições. Cada trabalhador da educação, estudantes e pais devem receber nosso convite para juntar-se a nós para fortalecer a luta pelo socialismo e a defesa dos direitos dos trabalhadores. Lembre-se: vote 16 e fortaleça essa idéia!