10 de nov de 2010

Estados Unidos

A situação dos trabalhadores e a reorganização sindical


Escrito por A Voz dos Trabalhadores - EUA

A crise econômica gerou um descontentamento generalizado na numerosa classe trabalhadora americana. A política dos sindicatos frente à crise pode ser resumida em negociar direitos sem resistência. Há um processo inicial amplo e atomizado de reorganização sindical que se expressa em pequenos grupos dissidentes de base e oposições sindicais, em plebiscitos e eleições sindicais.

Fora dos sindicatos há os importantes movimentos dos imigrantes e pela Educação Pública. Vamos relatar aqui dois casos emblemáticos: o SEIU (Sindicato Nacional dos Trabalhadores do setor de Serviços – o maior do país com 2 milhões de filiados) no estado da Califórnia e o UAW (Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Indústria Automobilística). Para nada isso significa desprezar outros processos de luta como a recente paralisação de dois dias no porto de Nova Iorque e Nova Jérsei ou a eleição de uma direção combativa para o sindicato dos transportes de Nova Iorque.

Os processos de renovação dentro do SEIU

As eleições no Hospital Kaiser Permanente
No plebiscito encerrado no dia 8 de Outubro, na rede hospitalar Kaiser Permanente, uma das maiores da Califórnia, 45 mil trabalhadores votaram para decidir qual sindicato os representaria. 61,8% votaram a favor da UHW (United Health Workers - vinculado ao SEIU) contra 37,8% que o fizeram pela NUHW (National United Health Workers - organização sindical dissidente) segundo os resultados da apuração de votos feita pelo NLRB (comitê nacional de relações trabalhistas – órgão estatal regulador dos sindicatos).

Estas eleições sindicais foram as maiores do setor privado desde 1941, quando os trabalhadores decidiram se sindicalizar. O fato que depois de 69 anos, no setor privado, se realizou um plebiscito como este é por si já uma vitória das forças de renovação representadas pelo NUHW contra a direção burocrática da UHW-SEIU.

A persistência deste setor de oposição em exigir um processo de consulta às bases para resolver a disputa sindical foi por si só um grande resultado democrático. O resultado também aponta a um forte setor de oposição que demonstrou não estar disposto a seguir agüentando em silêncio as imposições da direção burocrática do SEIU e desconhecendo o direito que têm os trabalhadores à autonomia sindical.

Numa luta completamente desigual, de David e Golias, muitos problemas se colocaram: Como continuar a luta pela democracia sindical? Como fazer frente às alianças oficiais sindicais e patronais? Como educar política e sindicalmente os trabalhadores para fortalecer a mobilização e as lutas contra as políticas conciliadoras dos altos líderes do SEIU? Como fazer a unidade com outros setores de oposição que lutam por objetivos similares em outros locais de SEIU ou outros sindicatos? Como nos desfazermos da tutela do partido democrata sobre os sindicatos e como construir una direção que represente conseqüentemente os interesses dos trabalhadores? As respostas a todas estas perguntas determinaram o futuro do NUHW como uma referência para outros movimentos de oposição que estão avançando nesta mesma luta.

A luta contra a fusão de sindicatos locais
No dia 7 de Outubro se realizaram as eleições para a ratificação da fusão de 3 sindicatos locais em um só sob o nome de USWW- SEIU: Local 1877 (zeladores e faxineiros de todo o estado), Local 24/4 (guardas de segurança de São Francisco) e o SOULA na Califórnia. Segundo os resultados manipulados pelos dirigentes sindicais, a votação pelo sim à fusão foi de 92% a 8%. Nesta eleição não foi permitido a nenhum trabalhador acompanhar o processo eleitoral, nem tampouco se permitiu a eleição de um comitê eleitoral eleito democraticamente para levar a cabo o processo. De um total de cerca de 40.000 membros que estavam habilitados para votar, somente o fizeram ao redor de 5.000 o que mostra a total apatia. Na verdade os dirigentes sindicais não se preocupam com a participação mas tão somente com as altas mensalidades dos membros para prover seus privilégios.

O Sindicato local 1877 é o sindicato estadual dos trabalhadores da limpeza e conservação da Califórnia e reúne 27 mil filiados. É o sindicato retratado no filme “Pão e Rosas” do diretor Ken Louch. Devido à traição da campanha salarial e da greve que ocorreu em março e abril de 2008 surgiu uma oposição. Este setor de trabalhadores da oposição vem levantando demandas tais como: acabar com a política conciliadora das direções frente aos patrões; que o sindicato seja dirigido pelos próprios trabalhadores; não mais de uma reeleição de um diretor aos postos de direção; não aos salários e benefícios superiores aos que ganham os faxineiros mais qualificados, e fim dos privilégios de todos os diretores até o presidente; apoiar as lutas de outros sindicatos, entre outros.

Este movimento de oposição também vem enfrentando o endurecimento das políticas anti-imigrantes dos patrões já que a composição da categoria é de cerca de 90% de trabalhadores sem documentos, que não só estão expostos as retaliações das autoridades de imigração, dos patrões, e que muitas vezes esta condição é utilizada pela própria direção burocrática sindical para aplacar os elementos da oposição que persistem em denunciar as práticas corruptas e antidemocráticas dos dirigentes.

O novo sindicato unificado, o USWW (United Service Workers West) é a continuidade no setor dos trabalhadores dos serviços de asseio e de segurança dos processos de fusão ou mega-sindicatos iniciada por Andy Stern, o ex-presidente do SEIU, hoje investigado pelo FBI por possíveis desvios em suas funções.

Os processos de fusão de locais do mesmo ramo de serviços têm como objetivo concentrar mais poderes no presidente e na executiva do sindicato nascente sobre os sindicatos fusionados. Além disso os estatutos concentram no presidente do sindicato nacional o poder para modificar estatutos, nomear e destituir diretores e junto com a executiva centralizar e manter o controle das negociações coletivas dos diferentes sindicatos locais e de todo o dinheiro das mensalidades de todos os trabalhadores fusionados. Desta maneira, estes processos de fusão são um assalto a autonomia sindical e aos resíduos da democracia que mantinham os trabalhadores em seus respectivos sindicatos locais.

Eleições no SEIU Local 221 em San Diego
O Local 221 representa os trabalhadores públicos do condado cuja principal cidade é San Diego. Ali também surgiu há anos atrás um movimento de oposição contra uma serie de práticas corruptas adotadas pelos altos dirigentes que estavam aproveitando de seus cargos para seu próprio benefício econômico. Este setor de oposição, com sua denúncia a estas práticas começou a reclamar o direito democrático dos trabalhadores a conhecer o funcionamento interno da sua organização e obrigaram os diretores que as reuniões da executiva fossem abertas aos filiados. Desta maneira conseguiram formar listas de oposição para peitar o domínio da burocracia antidemocrática por duas vezes. Nas últimas eleições, a lista de oposição elegeu 4 representantes na direção do sindicato (o voto é individual para cada cargo).

SEIU 1021: A vitória da oposição
SEIU Local 1021 é o resultado de uma fusão de 10 sindicatos locais dos empregados públicos da Califórnia. "Cambio 1021" foi uma lista de oposição que ganhou 26 cargos em 28 em disputa nas eleições sindicais após ampla campanha pelo direito da base gerir o sindicato.

A chegada da recessão pôs à prova a direção do sindicato que cedeu direitos e fez concessões aos patrões. Os trabalhadores se organizaram e formaram uma chapa de oposição com uma plataforma de luta que contempla os seguintes pontos:
-Democracia sindical
-Transparência financeira
-Reconstrução do sindicato de abaixo para cima
-Melhor comunicação e acesso a mesma
-Não às concessões aos patrões
-Não interferência nos assuntos internos de outro sindicato

Cambio 1021 também critica o SEIU por sua campanha contra o sindicato UNITE-HERE por base sindical.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Deixe sua opinião! O PSTU Gaúcho agradece sua participação.