4 de mar de 2014

Qual é mesmo o legado da Copa???


Por Matheus Gomes
 
Depois da polêmica gerada pelas estimativas da Fundação de Economia e Estatística do RS (FEE) sobre os gastos com a Copa, Fortunati veio a público no dia de hoje (os fatídicos 100 dias para o início do evento no Itaquerão), defender o chamado LEGADO da Copa. Essa expressão se popularizou na voz dos governantes e inicialmente significava o conjunto de benefícios que viriam com os megaeventos. Agora, não passam de um conjunto de promessas jogadas ao vento, já não geram a mesma expectativa na população!

Do ponto de vista econômico o estrago é gigantesco. Por mais que Fortunati insista em dizer que não, houve transferência de recursos SIM, principalmente por meio de isenções, ou seja, dinheiro que deixou ou deixará de ser arrecadado! A FEE estima que o incremento no PIB será de R$ 503,6 milhões. Já os apontamentos iniciais divulgados pela Zero Hora falam em gastos públicos na casa de R$ 569,9 milhões, ou seja, há uma contradição importante na contabilidade. De um modo geral, o Brasil já é o campeão de gastos para a realização da Copa e agora com o novo corte de verba no orçamento federal, de R$ 44 bilhões, o povo sairá perdendo mais ainda.

As obras da Copa amargam uma impopularidade grande: não tocam nos pontos "nevrálgicos" da mobilidade urbana da capital, pois a ampla maioria das que ainda seguem em andamento se localizam no entorno do Beira-Rio, ou seja, na hora H as principais demandas do povo que Fortunati ia resolver foram deixadas de lado para garantir os prazos da FIFA. Mas, não é só por isso. O projeto da FIFA é o da contrarreforma urbana, das remoções forçadas e da higienização social e a ebulição nas cidades que vivemos desde junho é expressão da rejeição a esses projetos.

Nenhum cálculo maluco vai conseguir mudar o produto desse negócio prejudicial ao Brasil. O estrago social é muito grande! Dilma e seus sócios menores estão impondo, a mando da FIFA, leis que destroem a nossa soberania nacional e os avanços democráticos que tivemos. Me preocupa pensar no pós-Copa. O que será do Brasil com a lei antiterror, o exército acostumado a intervir em mobilizações populares, essa militarização desenfreada das polícias e os movimentos sociais submetidos a diversas leis de controle? Aos que desconhecem a história dos tempos de ditadura pode parecer pouco, mas o ataque dos dias de hoje limita conquistas históricas!

O legado da Copa não é nada disso que os governos estão falando. Pesquisas dizem que se fosse hoje mais da metade da população não votaria para o Brasil ser país da Copa, pois já percebeu que o povo ficou de escanteio e a vida não vai melhorar. Mas, acredito num legado: o avanço da consciência e das mobilizações populares! Junho não acabou, se expressa em lutas como a dos Garis no RJ que em pleno carnaval demonstraram as contradições da "cidade maravilhosa"! Nesse último período, aprendemos que é possível conquistar vitórias com a nossa força. Esse sentimento é que poderá barrar as leis autoritárias, conquistar avanços sociais negados pelos governos Dilma, Tarso e Fortunati e mudar o país! Vamos em frente, pois o nosso legado será construído na luta!

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Deixe sua opinião! O PSTU Gaúcho agradece sua participação.