17 de set de 2015

METALÚRGICOS EXIGEM PAGAMENTO DOS SALÁRIOS NA SEMEATO DEPOIS DE LOCAUTE PATRONAL




Na segunda-feira (14) e terça-feira (15) os portões das fábricas 1, 4 e 8 da Semeato em Passo Fundo foram fechados sem aviso prévio pelos patrões, impedindo centenas de operários de trabalhar. Os operários filmaram inclusive o momento em que soldavam um dos acessos, veja o vídeo ( https://www.facebook.com/amplanalto/videos/889800747765865/?pnref=story). Essa sabotagem da produção pela patronal se trata de um locaute e é ilegal. A empresa queria desmobilizar a categoria que estava indignada porque recebeu apenas 40% do salário do mês de agosto. Em resposta, os operários realizaram bloqueios nas vias de acesso na BR 285 e na Avenida Presidente Vargas para repercutir a situação. 
 

Na quarta-feira (16) estava agendada uma audiência na Justiça do Trabalho e a empresa retirou os ônibus que buscavam os trabalhadores, atrasando a chegada ao trabalho, mas abriu os portões. Entretanto, bloqueou o acesso de cerca de 100 operários e os dispensou, gerando maior insegurança e revolta. A partir das 10 horas da manhã os operários das fábricas concentraram-se em frente a Justiça do Trabalho enquanto o Sindicato da Indústrias de Máquinas Agrícolas de Passo Fundo e representantes da base reuniram com a Juíza do Trabalho para mediar o caso. O PSTU esteve com a CSP-Conlutas apoiando a mobilização da categoria para exigir o pagamento dos salários e o fim das dispensas.  

 
Depois de mais de duas horas os metalúrgicos arrancaram um compromisso na negociação para não haver nenhum desconto nos salários a partir da primeira paralisação no dia 10 de setembro e que “todos os empregados que não quiserem trabalhar estão dispensados, inclusive do comparecimento à empresa, nos dias 16, 17 e 18 de setembro de 2015, sem prejuízo do salário em tais dias ou mesmo de qualquer retaliação ou penalidade” (PROCESSO: 0020976-27.2015.5.04.0661).  

Para a CSP-Conlutas a luta não pode parar, a Semeato reconheceu que planeja 400 demissões, não efetua o pagamento de férias e rescisões, não fornece EPIs , atrasa os depósitos do FGTS e contribuições previdenciárias. Durante o locaute os patrões deliberadamente escolheram funcionários que não poderiam acessar a empresa, o que certamente indica quem pode vir a sofrer retaliações. Na próxima semana, o sindicato deve manter a convocação da Assembleia Geral para avaliar os próximos passos da mobilização e a possibilidade de deflagração de uma greve.  

A empresa queria efetuar o pagamento integral dos salários de agosto até o final de setembro. O pedido foi negado e foi reafirmada a decisão anterior do MPT para que pagassem os valores devidos até 18 de setembro de 2015. O operário B.D. informa que no mesmo dia a empresa começou a efetuar os depósitos.  

A Semeato é uma das maiores fábricas de máquinas agrícolas no norte gaúcho e possui 8 fábricas com aproximadamente 1.600 metalúrgicos sediadas em Passo Fundo. Há anos a empresa é conhecida por não pagar em dia os direitos dos trabalhadores, sendo que muitos são obrigados a encaminhar a rescisão indireta dos contratos.   

Diante disso, o PSTU Passo Fundo considera ser fundamental:

- PAGAMENTO INTEGRAL DE TODOS OS SALÁRIOS E SEM DESCONTOS; 
- DEPÓSITO DOS ATRASADOS DO FGTS E CONTRIBUIÇÕES; 
-VOTAR ESTADO DE GREVE EM ASSEMBLEIA; 
-CONSTITUIR COMISSÕES DE FÁBRICA PARA EVITAR UM NOVO LOCAUTE;  
-DEMITIU, PAROU! QUE OS RICOS PAGUEM PELA CRISE!

PSTU Regional Passo Fundo

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Deixe sua opinião! O PSTU Gaúcho agradece sua participação.